Vamos

segunda-feira, janeiro 28, 2008



Foi há 60 anos

Primeiro sente-se o frio. As imagens vêm-nos chegando a preto e branco com se de um filme antigo se tratasse.
Depois uma angustia e uma solidão que invadem o corpo todo.
Eis o laboratório da besta.
A morte está presente,silenciosa mas muito proxima.
As vitimas estão lá todas, memoriais de cinza dispersa no ceú da Polonia.
Como foi possível? Como é possível que continue a acontecer?
Porque não aprendemos?
O silêncio arde, as lagrimas são todos os mares do mundo.
Já não ouço, estou presente, não são só os livros e os filmes, é real, foi real.

Auschwitz-Birkenau é o nome de um grupo de campos de concentração localizados no sul da Polónia, símbolos do Holocausto perpetrado pelo Nazismo. A partir de 1940, o governo alemão comandado por Adolf Hitler, construiu vários campos de concentração e um campo de extermínio nesta área, então na Polónia ocupada.
Houve três campos principais e trinta e nove campos auxiliares. Os campos localizavam-se no território dos municípios de Auschwitz e Birkenau, versões em língua alemã para os nomes polacos de Oswiecim e Brzezinka, respectivamente. Esta área dista cerca de sessenta quilometros da cidade de Cracóvia, capital da região da Pequena Polónia.

Auschwitz I - Campo de concentração original que servia de centro administrativo para todo o complexo. Neste campo morreram perto de 70.000 intelectuais polacos e prisioneiros de guerra soviéticos.
Auschwitz II (Birkenau) - Era um campo de extermínio onde morreram aproximadamente um milhão de judeus e perto de 19.000 ciganos.
Auschwitz III (Monowitz) - Foi utilizado como campo de trabalho escravo para a empresa IG FARBEN.


5 comentários:

Marreta disse...

Foi há 60 anos, mas parece que em muitos lugares deste planeta já foi esquecido. Quando se trata do mal geralmente a memória é curta.
Saudações do Marreta.

Watchdog disse...

Ainda no Domingo estive a ver no canal Odisseia um excelente documentário sobre O Juramento de Nuremberga...
Impressionante!

1 Abraço!

Belzebu disse...

É bom que continuemos a recordar este tipo de atrocidades às gerações mais novas, para que isto nunca caia no esquecimento e para não ceder a todas as tentativas que vão sendo feitas, para desvalorizar ou mesmo negar o que se passou!

Era este campo de que falas, que tinha uma placa à entrada a dizer: "O TRABALHO LIBERTA". No entanto o que lá se passava realmente, constituiu uma das páginas mais macabras, da história da humanidade!

Aquele abraço infernal!

Emília disse...

Horror, horror, o que se passou há 60 anos, perante o silêncio do mundo que só tarde se deu conta. É preciso lembrar, como aqui fizeste, atenta como sempre és ao mundo à nossa volta, com um olhar inteligente e crítico.
Desculpa a minha ausência forçada e desculpa, sobretudo, ter perdido o teu link, num 'apagão' que fiz,inadvertidamente, fruto da minha incompetência informática.Já relinkei (será q este neologismo já existe?...)
Um abraço grande e volta mais vezes lá pelo meu quase abandonado canto. São os amigos que fazem com que não me vá ainda embora.

Cardeal Cervejeiro disse...

É arrepiante... Sempre que leio, vejo ou ouço horrores do Holocausto, impressiono-me. Nao consigo imaginar o que as pessoas por la passaram, nao consigo imaginar como alguem consegue causar tamanha dor. Gostava de ir a Auschwitz, mas quando la estivesse, à porta, nao sei se conseguia entrar.