Vamos

terça-feira, maio 13, 2008



O fumo da Socretina

O Público revela, na sua edição online, que o primeiro-ministro e outros membros do Governo violaram a proibição de fumar no voo fretado da TAP entre Lisboa e Caracas, que levou esta madrugada uma comitiva governamental numa viagem oficial à Venezuela.
O porta-voz da TAP afirmou ao PortugalDiário que «com mais ou menos dimensão, a nível oficial, isso tem acontecido», confirmado o que o assessor do primeiro-ministro disse ao Público: «Já é costume».
Questionado sobre esta situação, e se ela se traduzi num incómodo para a TAP, António Monteiro não tem dúvidas que «o incómodo é para quem freta o avião e para os seus convidados».
Segundo relata o jornalista do Público, que acompanhou a viagem no aparelho fretado pelo Governo, depois de servida a refeição a bordo, pelas 23h, alguns membros do gabinete do primeiro-ministro dirigiram-se para a frente do avião, com maços de tabaco na mão, permanecendo por detrás de uma cortina.

O supervisor do voo TAP disse ao Público que «às vezes» aquelas situaçõs aconteciam, apesar de ser proibido fumar. «Algumas horas depois de o voo ter partido o ministro Manuel Pinho foi fumar. Ninguém me tinha perguntado se se podia ou não fumar. Fui falar com o comandante que não gostou da situação, mas que disse para arrranjar uma zona para fumar, se não ainda acabariam a fumar no cockpit».
O supervisor disse ainda que já em outras ocasiões o primeiro-ministro tinha fumado em voos da TAP. O assessor confirmou ao Público que «já é costume. Já aconteceu em outras viagens. Ouvimos as pessoas, que não se importaram».

A minha pergunta é:

As normas da IATA são todas as aeronaves ou há excepções?

4 comentários:

Marreta disse...

Tipicamente terceiro-mundista. Fazem as leis mas não dão o exemplo nem cumprem.
Escumalha!
Saudações ganzadas do Marreta.

Ferroadas disse...

Desta gente espera-se tudo, até não cumprir as normas feitas por eles. Faz o que eu digo, não faças o que eu faço.

BJS

Laurentina disse...

Mas este grande cabrão ainda vem para a televisão chamar-nos de parvos com um discurso de inocente...foram poucas as que o pai lhe enfiou nos cornos quando o apanhou a chpar umas passas e a jogar á "lerpa" e ao "dominó" a dinheiro...
Estamos entregues a esta cambada.

beijão grande

Paulo Vilmar disse...

Mariazinha!
Isto já é usual entre nossos políticos. Para que seguir leis?
Beijos!