Vamos

domingo, fevereiro 18, 2007



People are strange when you're a stranger

Faces look ugly when you're alone

Women seem wicked when you're unwanted

Streets are uneven when you're down

When you're strangeFaces come out of the rain

When you're strangeNo one remembers your name

When you're strange

When you're strange

When you're strange

Jim Morrisson é um dos meus cantores / autores preferidos. A sua tumultuosa existência sempre me intrigou. Viveu no limite e do que ele menos precisava era de fama. Será que vale a pena ser famoso? Como se lida com a fama quando se é "famoso"? Deve ser complicado atender a todas as expectativas . Jim viveu sempre acompanhado de uma solidão imensa. As drogas e o alcool fizeram-no corresponder às expectativas. Citando Jim acerca do medo:

"A primeira vez que descobri a morte…eu, os meus pais e os meus avós, íamos de automóvel no meio do deserto ao amanhecer. Um caminhão carregado de índios tinha chocado com outra viatura e havia índios espalhados por toda a auto-estrada sangrando. Eu era apenas um miúdo e fui obrigado a ficar dentro do automóvel enquanto os meus pais foram ver o que se passava. Não consegui ver nada – para mim era apenas tinta vermelha esquisita e pessoas deitadas no chão, mas sentia que alguma coisa se tinha passado, porque conseguia perceber a vibração das pessoas à minha volta, então de repente apercebi-me que elas não sabiam mais do que sobre o que tinha acontecido. Esta foi a primeira vez que senti medo...e eu penso que nessa altura as almas daqueles índios mortos – talvez de um ou dois deles – andavam a correr e aos pulos e vieram parar à minha alma, e eu apenas como uma esponja, ali sentado a absorvê-las."

Que saudades Jim.

3 comentários:

Miguel disse...

Por acaso também sou apreciador da musica dos Doors apesar de não ser da minha geração, foi uma banda que marcou a minha juventude ...!

Um BOM FDS Carnavalesco ...!
Bjks da Matilde e Cª!

migvic disse...

Só posso dizer que não gostava de ser famoso.
Não iria gostar de que sempre fosse na rua ter toda a gente a olhar para mim

Kaos disse...

Um dos meus herois da juventude e que me acompanhou ao longo dos anos. Um grande poeta que viveu a vida a correr, sempre mais ligado ao agora do que ao amanhã.
bjs